sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Lembranças...




 Como tudo começou...

 Há muito tempo meu pai havia feito um serviço para uma pessoa e ele recebeu como forma de pagamento uma linda cachorrinha. Nós morávamos em Sorriso nessa época, e foi lá que Brenda nasceu. Ainda me lembro do dia em que fomos buscá-la. Eu era apenas uma menininha que não estava acostumada com cachorros. Lembro de ter visto os pais de Brenda, Brenda e uma das irmãs dela. Eu queria levar pra casa a irmã de Brenda pois ela era a menorzinha (eu achava Brenda relativamente grande e tinha um certo medo dela) mas não podíamos pois a irmã dela já havia sido dada a outra pessoa.
 Então levamos Brenda pra casa. Papai que foi trazendo ela no carro. Tenho que admitir que eu realmente estava com medo dela no começo. Brenda sempre foi muito medrosa para algumas coisas e quando meu pai desceu do carro segurando ela, ela acabou fazendo xixi na camisa dele. Foi muito engraçado! Ela estava bem tristinha por ter saído de casa no primeiro dia. Mas depois foi se acostumando com a gente e a gente com ela. E foi assim que Brenda entrou para a nossa família e eu ganhei uma irmã.
 O nome dela fui em que escolhi por causa do filme 101 Dálmatas que eu tinha assistido.
 Nossa! Pra mim Brenda é uma verdadeira ser humana! Ela sente ciúmes, vergonha, às vezes ela finge que não está escutando quando a gente reclama de alguma coisa que ela fez de errado, ela não gosta que ninguém mexa nas coisinhas dela porque o que é dela é só dela e acima de tudo ela é muito forte, em todos os sentidos. Ela já passou por tanta coisa nessa vida que vocês nem imaginam o quanto ela tem pra contar!
 Ela já caçou ratos, já saiu fugida pra passear na rua sozinha com o seu amigo cachorro em um dia muito chuvoso, já fez uma viagem longa do Mato Grosso para o Rio Grande do Norte dentro de Palio que estava dentro do caminhão da mudança, já presenciou de perto o sofrimento e a morte de sua outra irmã não-biológica Mamusca após ela ter mordido uma bola envenenada que jogaram covardemente no quintal de casa quando não tinha ninguém, já morou na casa de vovó pois a gente estava morando em um apartamento, já resistiu a duas cirurgias bastante complicadas... Bom, são mais ou menos 12 anos de convivência. E ela sempre foi muito amável com a gente. Ela nunca, nunca me mordeu ou ameaçou me morder. Sempre foi muito carinhosa!
 Agora Brendinha está na melhor idade. Temos que cuidar dela com muito mais atenção, carinho e paciência. Como ela foi cirurgiada recentemente para retirar uns tumores estamos só os mimos com ela. Eu até entrego comidinha na cama pra ela quando ela está deitadinha pois ela precisa ficar de repouso.
 Pode até parecer exagero esses tratos todos com um animalzinho, mas pra mim um simples animal pode significar muito mais do que muitos seres humanos que existem por aí. E Brenda significa muito pra mim. Eu a amo demais e desejo muito bem a ela!

Na foto: Brenda dormindo pela manhã em seu colchão depois de ter passado a noite sem querer dormir.

domingo, 15 de janeiro de 2012

ICE BAR - LONDON

  Um minutinho pra mim...

  Ganhei uma viagem muito especial de uma tia minha ano passado. Uma viagem para passar os últimos dias do mês de dezembro conhecendo alguns dos países da Europa. 
  Quando me lembro dessa viagem e das coisas que fiz por lá mal consigo acreditar que tenha realmente acontecido. "Nossa, eu fui para a Europa!"E tem tanta coisa para se ver que não cheguei a conhecer nem 1% de tudo que tem por lá.


  O último lugar que visitei foi Londres, na Inglaterra. E uma das coisas que mais me impressionou lá em Londres foi o Ice Bar.
  O Ice Bar é um bar feito todo de gelo. As paredes, as mesas, as cadeiras, é tudo feito de gelo! Achei tão diferente e tão legal! Nunca tinha entrado em um lugar assim.



  Como o bar é mantido a uma temperatura de menos cinco graus, as pessoas que visitam o lugar recebem uma capa térmica ao entrarem. E acreditem: mesmo com a capa térmica faz muitooooo frio lá dentro!


(fiquei me sentindo uma bruxinha azul com a minha capa, só faltava uma vassoura)


  As paredes de gelo são todas trabalhadas por artistas. Possuem esculturas, frases e desenhos que junto com o jogo de luz do ambiente tornam o visual do Ice Bar super psicodélico. É realmente muito legal!!!


  Cada visitante tem direito a um drink. E... adivinhem! O copinho do drink também é feito de gelo! =D


  Na minha opinião vale muito a pena conhecer o lugar. Caso um dia eu volte a Londres com certeza vou querer visitar o Ice Bar novamente. 

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Acaso ou destino?


Resolvi assistir menos televisão este ano e aproveitar meu tempo livre para ler mais. Passei o último semestre de 2011 sem ler nadinha de diferente. Tudo que eu lia era referente à universidade. O que não foi nada bom, pois é sempre bom viajar no mundo dos livros. Então voltei a ler O Dia do Curinga de Jostein Gaarder. Um livro ótimo! - a meu ver e olha que eu ainda nem li o livro todo - E encontrei um trecho do livro que chamou bastante a minha atenção... um trecho que me fez lembrar de algo com o qual eu vinha pensando bastante no final do ano passado... 

" - Pai, você acredita em acaso?
Ele olhou para mim pelo espelho retrovisor.
- Como é? Se eu acredito no acaso?
- Isso mesmo.
- Mas o acaso, por definição, é exatamente alguma coisa que acontece por puro acaso! Naquela vez que eu ganhei dez mil coroas na loteria, o meu bilhete foi sorteado em meio a milhares de outros bilhetes. É claro que fiquei satisfeito com o resultado, mas o fato de eu ter ganho foi pura obra do acaso.
- Você tem mesmo certeza disso? Você se esqueceu de que naquela mesma tarde nós encontramos um trevo de quatro folhas? E se você não tivesse ganho o dinheiro, nós talvez não teríamos tido a oportunidade de fazer esta viagem para Atenas.
Meu pai se limitou a resmungar alguma coisa e eu continuei:
- Será que foi um acaso a viagem da sua tia a Creta e o fato de ela ter descoberto por lá uma revista de moda com a foto da mamãe na capa? Ou será que tinha de ser assim?
- Você está querendo me perguntar se eu acredito no destino - disse meu pai. Acho que ele gostou de ver que seu filho se interessava por questões filosóficas. - A resposta é... não.
Eu estava pensando nas artesãs de vidro do livro... e também, para ser franco, no fato de eu ter visitado uma vidraria em Murano e logo em seguida ter lido sobre outra vidraria no meu livrinho. Também me passava pela cabeça a coincidência de o anão ter me dado uma lupa pouco antes de eu ganhar um livro escrito em letras minúsculas. Tudo isso sem falar no que tinha acontecido depois que o pneu da bicicleta da minha avó furou durante a sua ida a Froland. E em tudo que vinha acontecendo desde então.
- Acho que não foi por acaso que eu nasci - eu disse."

Lembro de uma história que um de meus professores contou uma vez... ele disse que havia reprovado um ano na escola. Na época ele achou isso algo muito ruim. Mas que hoje em dia ele vê que esta reprovação foi essencial. Pois foi esta reprovação que fez com que ele, mais tarde, estivesse no tempo certo para conhecer e trabalhar com as pessoas certas. Pessoas que foram importantes para ele ser quem ele é hoje. 

Será que tudo na vida acontece por puro acaso? Ou será que no fundo estamos mesmo destinados a alguma coisa que ainda não sabemos? Será que apenas fazemos parte de um imenso tabuleiro e esperamos nosso próximo movimento através de um lance de dados? Não conheço a resposta para estas perguntas e também não quero dizer que penso da maneira correta. Acho que é algo que nunca saberei em vida. Mas como Forrest Gump disse uma vez:

"...não sei se cada um tem um destino ou se a gente só fica flutuando por acaso na brisa mas eu acho que talvez sejam os dois... os dois acontecem ao mesmo tempo."

Eu acredito que tanto o acaso quanto o destino acontecem ao mesmo tempo...
=]  

Imagem: http://agazetadigital.blogspot.com/2011/11/espiritualidade-porque-o-acaso-nao.html

sábado, 7 de janeiro de 2012

Dia preguiçoso!




 É sábado no planeta Terra. Um sábado preguiçoso... Afinal, é dia de descanso! Sempre gosto de dormir até mais tarde nos sábados e hoje não foi diferente. =]

 Acordei e fiquei deitada na cama, criando coragem para me levantar. Foi quando recebi uma mensagem de "bom dia" e decidi despertar de vez para o dia de hoje.
 Ataquei as uvas da geladeira, abri e fechei o portão, fiquei um tempão no computador, fui pra fora, deitei na rede, almocei na sala, vi TV, fiquei no sofá olhando para o nada, pensei nas coisas que pretendo fazer nessas férias, me levantei, fui pra fora de novo (dessa vez eu saí pulando a janela do meu quarto), deitei no chão com Brenda, dormi no chão, acordei no chão, comi uma goiaba, tomei banho, sentei no chão, ajudei papai a guardar algumas coisas na caixa, fui para o meu quarto, vi uma mensagem no celular, liguei o computador e agora estou aqui escrevendo.